maio 24, 2022
Justice For Johnny Depp – Dia 22

Nesta terça-feira (24), os advogados da ex-esposa de Johnny Depp encerraram seu caso e a contestação dos depoimentos da defesa da ré foi iniciada.

Antes de ouvir as testemunhas, Ben Chew (representante de Depp) solicitou que a juíza anulasse a reconvenção de Amber Heard contra o ator, dizendo que a atriz não provou que um advogado de Depp, Adam Waldman, fez declarações sobre ela com “malícia”.

Ele também disse que Heard “não tem direito à imunidade” por seu artigo no Washington Post.

Em março, os advogados de Depp buscaram uma decisão de que Heard não poderia invocar como parte de sua defesa uma lei da Virgínia – conhecida como disposição anti-SLAPP (Ação Estratégica Contra a Participação Pública) – projetada para proteger as pessoas de ações judiciais incômodas quando elas falam sobre assuntos de interesse público.

No entanto, os advogados de Heard argumentaram que seu artigo abordava uma questão séria de interesse público – prevenção da violência doméstica – e a juíza decidiu a favor dela.

A decisão não dá imunidade a Heard pelo que ela escreveu, mas significa que ela foi autorizada a apresentar esse argumento a um júri como parte de sua defesa.

Continuando sua moção para anular a reconvenção de Amber Heard contra Johnny Depp, Ben Chew, disse que a American Civil Liberties Union (ACLU) e Amber Heard estavam “conspirando” para deixar claro que o artigo do Washington Post que ela escreveu sobre violência doméstica era sobre Depp, mesmo que ele não tenha sido nomeado.

No início do julgamento, os jurados ouviram o testemunho de Terence Dougherty, conselheiro geral da ACLU, que disse ao tribunal que um membro da equipe escreveu a primeira versão do artigo do Washington Post sob o nome da atriz e que ajustes foram feitos para evitar um link direto ao ex-marido. O editorial foi publicado quando Heard foi anunciada como embaixadora da organização.

Após a contra-argumentação do advogado da ré, a juíza Penney Azcarate disse que analisou todas as provas e negou o pedido de anulação.

Como mencionamos antes, a equipe de Johnny Depp iniciou hoje a refutação do caso de Amber Heard. Nessa etapa serão trazidas testemunhas que contestam o que foi apresentado pela defesa da ré.

Vamos ao resumo dos depoimentos.

Walter Hamada

Walter Hamada, presidente de produção cinematográfica da Warner Bros, em DC, disse ao tribunal que Amber Heard nunca foi liberada de seu contrato com Aquaman ou recontratada – como foi sugerido por Kathryn Arnold, especialista na indústria do entretenimento, durante a sessão de ontem.

Heard não recebeu um aumento salarial por Aquaman 2 depois de aparecer no primeiro filme, disse Hamada, respondendo a perguntas do advogado de Johnny Depp. Ele disse que os produtores estavam tentando impedir as renegociações em cada acordo.

Seu papel no filme foi determinado no início do desenvolvimento do roteiro, o que teria acontecido em 2018, afirmou ele, acrescentando que seu papel nunca foi reduzido.

O filme foi construído em torno dos personagens interpretados por Momoa e Wilson, que eram os “co-líderes”, disse Hamada. O papel de Heard nunca foi afetado por nada relacionado a Depp.

Ele disse que houve um atraso de “provavelmente semanas” na escolha de Heard para a sequência, dizendo que houve conversas sobre uma possível reformulação.

Houve preocupações levantadas após a “encerramento” das filmagens do primeiro longa, sobre a “química” de Heard com Momoa. No entanto, a Warner Bros não fez o teste de outras atrizes para o papel e acabou optando por Heard.

Questionado se a Warner Bros estava pensando em pagar a Heard mais pela sequência do que pelo filme original, Hamada disse que não.

A advogada de Amber Heard fez perguntas.

Hamada novamente disse que o produtor de Aquaman, Rob Cowan, estava preocupado com a química entre Heard e Jason Momoa, mas que isso “não era incomum”.

Assistindo ao filme, parece que eles tiveram uma ótima química, disse ele – mas isso demandou “muito esforço” na pós-produção.

Solicitado a ser mais específico sobre o que os fez carecer de química, Hamada disse que isso é difícil de definir – como fazer a pergunta “o que faz uma estrela de cinema?”

Aquaman foi o filme da DC com maior bilheteria de todos os tempos para a Warner Bros, afirmou Hamada ao tribunal.

Questionado sobre a próxima sequência de Aquaman, ele diz que a produção foi “muito tranquila”.

David A Kulber

O Dr. David A Kulber, um cirurgião plástico e de mãos, prestou depoimento ao vivo por link de vídeo.

Ele atualmente trabalha no Cedars-Sinai Medical Centre em Los Angeles e está lá há mais de 20 anos.

Kulber realizou uma cirurgia no dedo decepado de Johnny Depp por volta de março de 2015.

Sob interrogatório dos advogados de Depp, Kulber disse que o dedo do ator estava fraturado e ele teve perda de tecido mole, então o dedo foi reconstruído com um enxerto de pele e um pino.

Após a primeira cirurgia, Depp tinha uma tala de gesso na mão. Nessa condição, ele não conseguia mover seu terceiro e quarto dedos, o médico disse, quando perguntado sobre a mobilidade da mão do ator.

Questionado se Depp poderia ter “agarrado alguém” com o gesso na mão, Kulber disse que poderia ter “tentado”, mas não tem certeza do sucesso que teria.

O pino ficou no dedo de Depp por cerca de 11 ou 12 dias, mas, depois dele ser removido, o tratamento continuou por vários meses.

Heard acusou Depp de ser violento em Los Angeles em março de 2015, após seu retorno da Austrália.

Kulber passou a ser questionado pelo advogado de Amber Heard.

Foram exibidas fotos vistas anteriormente, incluindo uma das araras de um closet no chão. Kulber disse que Depp poderia ter causado esse dano usando a outra mão.

O médico afirmou que Depp poderia ter atingido alguém com a mão estava engessada, mas teria causado danos a ela, e ele não se lembra de ter visto nenhum. Ele disse que Depp não poderia ter fechado o punho com o gesso.

Richard Marks

Richard Marks, um advogado de entretenimento de longa data e especialista em Hollywood, depôs presencialmente.

Ele já testemunhou no caso e apareceu dessa vez para contestar o depoimento de Kathryn Arnold, especialista na indústria do entretenimento, que falou a favor de Amber Heard.

Ele disse que sua opinião é que Arnold é “muito habilidosa e suave”, mas “não é especialista em fazer acordos”. Sua avaliação de danos para Heard é “baseada em nada”, disse, e “descontroladamente especulativa”.

Marks disse que não concorda com a opinião de Arnold de que Heard teria ganho US$ 45 milhões nos próximos anos.

Filmes de super-heróis e fantasia pagam mais, mas os atores também assumem filmes independentes e “projetos de paixão”, afirmou. Não é provável que Heard tenha assumido vários papéis no cinema semelhantes a Aquaman depois, disse ele.

Ele também disse que sua carreira não é comparável à de seu colega de Aquaman, Jason Momoa, que já era uma grande estrela e apareceu em Game Of Thrones.

Richard Marks foi questionado sobre a trajetória da carreira de Amber Heard ser comparada ontem com sua co-estrela de Aquaman, Jason Momoa, bem como com as de Gal Gadot, Ana de Armas, Zendaya e Chris Pine.

Ele disse que nenhuma dessas estrelas é comparável a Heard. Momoa era Aquaman em vez de um “personagem coadjuvante como Mera” [interpretada por Heard], Gadot era a Mulher Maravilha e Zendaya [é tão conhecida] que atende por um nome.

O melhor indicador de lucros futuros são os lucros passados, acrescentou Marks.

Questionado sobre sua avaliação geral das opiniões da especialista em entretenimento Kathryn Arnold, ele disse que “não valem o papel em que estão escritas”.

Seu testemunho “não respaldou sua linha de fundo”, diz ele, e “não se sustenta sob escrutínio”.

Michael Spindler

Michael Spindler, especialista em danos econômicos e contador forense, é outro rosto conhecido neste julgamento. Ele aparece pessoalmente mais uma vez e lembrou ao tribunal que tem mais de 40 anos de experiência em seu campo.

Como Richard Marks, Spindler também foi questionado pela equipe de Johnny Depp sobre sua avaliação do testemunho da especialista em entretenimento Kathryn Arnold.

Perguntado sobre o depoimento de Arnold sobre os danos econômicos estimados sofridos por Heard, ele disse acreditar que “não é adequadamente apoiado” e “irracional”. Ele disse que “não houve cálculo per se” sobre os danos.

Spindler afirmou que algo que está “ancorado em fatos” deve ser tomado como base para ganhos futuros – ou seja, ganhos históricos, como Marks também disse.

O advogado de Amber Heard passou a fazer as perguntas.

Spindler concordou que a carreira da atriz em termos de “ganhos e poder de estrela” estava “em alta” entre 2013 e 2019.

A reconvenção de 100 milhões de dólares de Heard contra Depp é sobre declarações feitas por seu advogado, Adam Waldman, quando ele chamou as acusações de Heard de falsas e uma farsa. Heard afirma que essas alegações prejudicaram sua carreira.

Doug Bania

Doug Bania, um especialista em mídia social e análise de internet que também já depôs durante o julgamento.

Bania foi solicitado a dar sua opinião sobre o depoimento de Ron Schnell (outro especialista em mídia social) e o da especialista em entretenimento Kathryn Arnold.

Bania disse ao tribunal que “geralmente… Schnell não forneceu evidências” de uma correlação entre as declarações feitas pelo advogado de Johnny Depp, Adam Waldman, sobre Amber Heard e hashtags que foram escritas sobre ela no Twitter.

No início do julgamento, Schnell falou ao tribunal sobre algumas das hashtags negativas que encontrou sobre Heard entre abril de 2020 e janeiro de 2021. Elas incluíam:

#WeJustDontLikeYouAmber
#AmberTurd
#AmberHeardIsAnAbuser

Schnell disse que a maioria das mensagens também continha as palavras “farsa, fraude, falso” – semelhantes às palavras usadas por Waldman.

Bania disse que também analisou os mesmos dados para ver se os tweets “continham as declarações de Waldman”.

(As declarações de Waldman são três citações publicadas no Daily Mail em abril de 2020 e junho de 2020, que formam a base da reconvenção de Heard por difamação contra Depp. Ela diz que essas declarações prejudicaram sua carreira.)

Bania disse ao tribunal que sua análise mostra que 35% dos tweets negativos foram anteriores às declarações de Waldman. Apenas 2% dos tweets foram postados no período em que as declarações foram publicadas, entre abril de 2020 e junho de 2020.

Ele também afirmou que “não houve pico” no uso da hashtag #JusticeForJohnnyDepp durante esse período.

Solicitado a dar sua opinião sobre o testemunho dado por Kathryn Arnold, Bania disse que examinou a “perspectiva pública” para sua própria análise. Ele também se refere ao Q Scores, que é uma ferramenta padrão da indústria, usada nos EUA para avaliar a popularidade de uma figura pública. Ele preparou o que chama de “demonstrativo” para mostrar os Q Scores de Heard em comparação com outros atores comparáveis, tanto em um quadro positivo quanto negativo.

Bania afirmou que o número baixo para o Q Score positivo de Heard, e o número alto para o Q Score negativo dela, dizem a ele que Heard “não se encaixa como comparável com esses atores” [Gal Gadot, Jason Momoa, Zendaya, Chris Pine e Ana de Armas].

Ele descreveu os Q Scores de Heard – que foram obtidos antes das declarações do advogado Adam Waldman, mas após o lançamento de Aquaman – como “terríveis”.

Doug Bania disse que usou o Wayback Machine, que analisa páginas arquivadas na internet, para avaliar o interesse do público em Amber Heard antes da declaração do advogado Adam Waldman, em comparação com os “atores comparáveis” listados anteriormente.

Onde o gráfico diz NA, isso significa que o ator não tem essa conta de mídia social.

Ele concluiu que os danos para Heard “não são apropriados neste caso”.

Bania passou a ser interrogado pela equipe de Amber Heard.

Ele analisou várias postagens negativas nas mídias sociais sobre Heard, incluindo pesquisas pelos termos “abuso”, “violência sexual” e “violência sexual falsa”.

Ele foi perguntado se investigou alguma “campanha de bullying online contra Depp após o editorial de Amber Heard”. Ele disse que não analisou isso.

Bania foi questionado sobre sua análise do Q Scores e seu testemunho escrito. Mais uma vez foi mostrada a visão geral da mídia social de Heard e atores comparáveis, e a equipe de Heard levantou o fato de que a atriz Ana de Armas tem menos seguidores no Instagram do que Heard nesta visão geral.

O advogado de Heard também perguntou se ele tem um conjunto alternativo de atores comparáveis ​​que ele gostaria de sugerir, e Bania disse que não.

Foi exibido para o tribunal um gráfico mostrando vários picos de tweets usando a hashtag #JusticeForJohnnyDepp em vários momentos entre fevereiro de 2020 e abril de 2021.

Bania disse que não analisou se os tweets sobre Heard eram positivos ou negativos, apenas se eles tinham alguma ligação com as declarações do advogado Adam Waldman.

Morgan Night

A juíza Penney Azcarate deu um breve recesso ao júri. Isso aconteceu porque ela preciosu fazer algumas perguntas à próxima testemunha – Morgan Night. Os advogados de Johnny Depp e Amber Heard também o questionaram.

Night foi perguntado sobre o incidente de Hicksville, que supostamente ocorreu em um estacionamento de trailers em Joshua Tree, EUA, em junho de 2013. Ele estava trabalhando no acampamento quando Depp e Heard ficaram lá com amigos. Ele foi contatado diretamente pela equipe de Depp para testemunhar.

A juíza precisou certificar-se de que sua evidência não foi influenciada pelo que ele já pode ter visto e ouvido sobre o caso e, em particular, se ele ouviu o que outras testemunhas disseram especificamente sobre Hicksville. Azacarate comentou que, neste caso, “o tribunal é o mundo”.

Após os questionamentos, o testemunho foi autorizado.

Morgan Night anteriormente era dono do Hicksville Trailer Palace. Ele vendeu o parque de trailers em 2020 e agora possui outro estabelecimento em Idlewild, Michigan.

Ele explicou que muitas vezes era o gerente presente em Hicksville, e trazia suprimentos e construía o negócio. Ele ficava em uma casa quando trabalhava no estacionamento de trailers.

Night disse que conheceu Depp brevemente no The Viper Room – uma boate que o ator possuía na Sunset Strip. Ele disse que não conheceu Heard anteriormente.

Ele afirmou que Depp inicialmente se perdeu ao tentar encontrar o local, e então foi buscá-los. Night disse que Depp parecia “de bom humor” quando chegou, enquanto Heard “parecia silenciosa”. Ele disse que o casal havia contratado o local inteiro e estava hospedado lá com a irmã de Heard e um grupo de amigos.

Night contou que primeiro fez um tour com Depp e Heard, e que muitas pessoas estavam ao redor do trailer com bar e da área da fogueira. Depp “era super curioso e muito legal” e também muito interessado na estalajadeira “já que ela era musicista”. Ele disse que a estalajadeira – que se chama Jenna – foi para casa pegar seu violão e tocou com Depp ao redor da fogueira. Ele descreveu Heard como “irritada” com isso e que ela estava “intervindo”. Night afirmou que Heard “parecia estar se divertindo com seus amigos”, mas depois viu a atriz levar Depp para um lado e a ouviu “gritando com [Depp]”. Ele disse que achou a situação “um gatilho” e tentou ir a algum lugar onde não pudesse ouvir os gritos. Depp “estava encolhido e quase com medo”.

Morgan Night disse que à medida que a noite no estacionamento de trailers continuava, Depp “ficava mais quieto” e em alguns momentos “sua cabeça balançava”. Ele contou que não pode dizer se Depp estava embriagado. Ele disse que a noite “se esgotou por volta das 3 da manhã” e todos foram para a cama. Night também se recolheu e não viu nem ouviu mais nada.

Na manhã seguinte, Night disse que foi informado de que havia alguns danos no trailer de Depp e Heard, e então ele foi inspecionar. Ele contou que os trailers “eram como meus bebês” e acrescentou que o trailer de Depp era decorado principalmente com acessórios originais dos anos 1950. Ele disse que viu uma luminária quebrada quando entrou lá.

Morgan afirmou que nada mais foi danificado e que “tudo estava bem”. Ele disse que ficou “aliviado” por ter havido tão poucos danos e que comprou uma luminária nova no eBay usando o cartão de crédito do agente de Depp, pela qual cobrou 62 dólares.

Ele disse: “Eu nunca vi o Sr. Depp ser agressivo ou violento com ninguém enquanto ele estava no local”.

Morgan Night passou a ser questionado pela equipe de Heard.

A advogada de Heard o desafia dizendo: “Você é um grande fã de Johnny Depp, não é?”. Night disse que “Não”, o que causou algumas risadas na sala.

A advogada afirmou que Night contatou um usuário do Twitter chamado “That Umbrella Guy” (que ela descreveu como sendo “pró-Depp”), contando que ele estava com o ator no Hicksville Trailer Park e que foi Heard que estava “agindo com ciúmes e louca”. Ela acusou a testemunha de querer estar na TV.

A defensora de Heard disse ainda que Night dirigiu um filme em 1999, chamado Matters Of Consequence, no qual a ex-mulher de Depp, Lori Anne Allison, trabalhou como maquiadora. Night disse que isso está correto.

Ao tribunal foi mostrado o tweet em questão. Night foi perguntado se no dia seguinte ao envio deste tweet, ele também postou negativamente sobre Elon Musk. Ele concordou. A advogada disse “então você não gosta de Elon Musk”.

Morgan Night recebeu mais algumas perguntas da equipe de Depp.

Ele disse que foi contatado pela primeira vez por um ex-funcionário – por mensagem de texto – que pediu que ele falasse com a equipe de Depp. Em oposição à acusação da equipe de Heard de que ele queria estar na TV, ele disse que está “feliz em contar” o que viu, mas acrescentou que “fora isso, eu realmente não me importo”.

Richard Shaw

Doutor Richard Shaw é psiquiatra e psicólogo. Ele é especialista em transtorno de estresse pós-traumático e trauma, especialmente em torno de doenças em crianças e o efeito disso em seus pais. Publicou cerca de 80 artigos em sua área de atuação e capítulos em diversos livros.

Ele testemunhou como especialista em cerca de 50 casos judiciais nos últimos 20 anos, muitas vezes em torno de agressão sexual e trauma.

Questionado pela equipe de Johnny Depp, Shaw foi perguntado sobre sua opinião sobre o depoimento dado pelo psiquiatra David Spiegel, ontem.

Shaw disse acreditar que Spiegel violou a Regra Goldwater, que afirma que os psiquiatras não devem dar uma opinião profissional sobre figuras públicas que não tenham examinado pessoalmente. Ele também disse que acredita que suas opiniões eram “não confiáveis”.

Shaw disse que Spiegel violou a regra ao diagnosticar Depp com transtorno de personalidade narcisista e déficit cognitivo sem nunca encontrá-lo pessoalmente. Shaw descreveu o transtorno de personalidade narcisista como um padrão de grandiosidade, necessidade de admiração e falta de empatia, que é evidente desde tenra idade. Ele disse que os psiquiatras precisam avaliar os pacientes por meio de questionários ou testes para diagnosticar o distúrbio de forma confiável.

Ele disse que Spiegel afirmou com certeza que Depp tinha o distúrbio, mas nunca havia realizado nenhum desses testes. Isso significa que ele não teria ideia se Depp atendia ou não aos critérios necessários.

Richard Shaw também disse que Spiegel afirmou que Depp tinha déficits cognitivos e baixas velocidades de processamento, o que, novamente, exigiria uma avaliação adequada. Ele disse que os resultados de um Mini-MentalState Examination (MMSE) ao qual Spiegel se referiu não seriam de forma alguma adequados para avaliar um paciente. Isso precisaria ser avaliado por um neuropsicólogo em vez de simplesmente um psiquiatra. Spiegel estava “fora de sua área de especialização”.

Shaw foi questionado pela equipe de Amber Heard, que esclareceu que Spiegel, que prestou depoimento ontem (23), foi aceito pelo tribunal como testemunha especializada e também que o próprio Shaw não foi solicitado a avaliar Depp psicologicamente. O médico concordou.

Jennifer Howell

Jennifer Howell é CEO e fundadora da The Art of Elysium – uma empresa que une artistas a boas causas.

Ela foi questionada pela equipe de Johnny Depp. Howell disse que conheceu Amber Heard e sua irmã Whitney na premiere de Segurando as Pontas (The Pineapple Express) em 2008. Ela disse que Whitney trabalhou como gerente de um salão de arte por volta de 2014, mas saiu no ano seguinte. Ela confirmou que nunca viu Depp consumindo drogas ou quantidades excessivas de álcool e que Heard nunca lhe contou que estava sendo abusada por Depp.

A empresa de Howell já havia recebido um cheque anônimo de US$ 250.000 em nome de Heard. Ela confirmou que já testemunhou que acredita que o doador anônimo era Elon Musk.

Candie Goldbronn

Candie Goldbronn testemunhou em nome do Children’s Hospital Los Angeles e foi questionada pela equipe de Johnny Depp.

Goldbronn disse que Amber Heard fez uma doação de US$ 250.000 em janeiro de 2018, e mais tarde ela entrou em contato com a atriz para ver se a promessa total de US$ 3,5 milhões seria cumprida, mas não obteve resposta.

Ela disse que até esta data, Heard não doou mais dinheiro para o hospital ou cumpriu sua promessa total de US$ 3,5 milhões.

Goldbronn foi brevemente questionada pela equipe de Heard, que perguntou se a promessa tinha uma data de validade e se expirou, e ela disse que não, a promessa não tinha data de validade e não expirou.

Heard testemunhou anteriormente que ela estava doando todo o seu acordo de divórcio de US$ 7 milhões – dividido entre a American Civil Liberties Union (ACLU) e o Children’s Hospital Los Angeles –, mas havia cessado os pagamentos devido ao processo de US$ 50 milhões de Depp contra ela. [Ela foi processada por Depp 13 meses depois de ter recebido todo o montante do acordo].

Vídeo da sessão

Via Sky News.