abril 18, 2022
Justice For Johnny Depp – Dia 5

A segunda semana de julgamento começou com a última parte do depoimento do médico David Kipper. Também testemunharam hoje Debbie Lloyd (ex-enfermeira de Johnny Depp) e Sean Bett, guarda-costas do ator.

O interrogatório de Bett foi interrompido e deve ser concluído amanhã.

De acordo com o jornalista Nick Wallis, espera-se que o próprio Johnny comece a depor nesta terça-feira. “Ouvi de três fontes confiáveis que Johnny Depp está escalado para depor no Tribunal do Condado de Fairfax AMANHÃ. Não mude seus planos ainda, mas estou feliz que minhas fontes saibam do que estão falando”, publicou no Twitter.

Hoje tivemos também a primeira substituição entre os jurados. No retorno de um dos intervalos, um dos homens disse estar com dor devido a uma condição médica. Como o julgamento não pode ser paralisado, ele foi dispensado. O júri agora é composto por sete homens e três mulheres.

Vamos ao que foi dito nos depoimentos.

David Kipper

Kipper disse que diagnosticou Johnny Depp com transtorno bipolar, TDAH (transtorno do déficit de atenção com hiperatividade), insônia, transtorno de abuso de substâncias, depressão e refluxo crônico.

Sobre a lesão no dedo de Depp, ocorrida na Austrália em março de 2015, o médico relatou: “Limpei o ferimento dele o melhor que pude… e então o levei [para o pronto-socorro].” “Entrei [na casa] para instruir as pessoas com ele a procurar a ponta do dedo, esperando que pudéssemos colocá-lo de volta.”, acrescentou.

Segundo o relato, foi alguém identificado como “chef” quem encontrou a ponta do dedo na área da cozinha. Kipper disse que Amber Heard certamente estava chateada. Ela não procurou atendimento médico dele ou da enfermeira Debbie Lloyd naquele momento.

Kipper disse que viu vidro quebrado na cozinha onde a ponta do dedo estava localizada, mas que não havia sangue nele [no vidro], especificamente.

Kipper foi questionado pelo advogado de Johnny Depp se Amber Heard denunciou a ele abuso doméstico infligido pelo ator. Ele disse que não e que também não observou nela quaisquer lesões, como inchaço, cortes ou contusões – o próprio médico ou a enfermeira que trabalhava para ele teriam documentado a situação se tivessem visto qualquer evidência.

David Kipper afirmou ainda que nunca testemunhou Depp ser abusivo com Heard e vice-versa.

O médico contou ao tribunal ter recebido um e-mail de Heard em 8 de agosto de 2016, solicitando registros médicos de dezembro de 2015. Ele disse acreditar que ela ainda era sua paciente naquela data. Agosto de 2016 é quase três meses depois que Heard pediu o divórcio.

Kipper afirmou que nos seis anos em que tratou Johnny Depp, o ator nunca reclamou de Heard abusar fisicamente dele. Ele também disse que nunca testemunhou Depp ser abusivo com ninguém.

Foi confirmado que Kipper ainda é o médico pessoal de Depp.

Debbie Lloyd

Em depoimento gravado em 8 de março de 2022, Debbie Lloyd disse que se especializou em enfermagem para pacientes dependentes químicos. Ela contou tratar “pacientes de alto nível” em suas casas, e não em instalações médicas.

Lloyd disse que conversou com Camille Vasquez, uma das advogadas de Depp, antes do depoimento. Vasquez perguntou se o ator já havia jogado algo nela. Ela respondeu “não”, o que contradiz o testemunho de Whitney Heard (irmã da ré) em 2020.

Lloyd encontrou Depp pela primeira vez em junho de 2014 e costumava fazer anotações do que observava. Ela confirmou o testemunho de David Kipper de que Depp eventualmente trabalhou para se desintoxicar de opioides e disse aos advogados que nunca o viu usar cocaína.

As notas de Lloyd descrevem uma visita à casa de Depp às 3h30 da manhã de 22 de setembro de 2014, quando ele estava “sentado com os dedos ensanguentados”. Depp admitiu que “socou um quadro branco na cozinha” depois de uma briga com Heard, afirmaram as anotações.

De acordo com as notas médicas, Depp estava “enviando uma mensagem para um amigo explicando a razão de ele não aparecer para tocar música, e a noiva ficou chateada por ele não estar lhe dando apoio suficiente e a briga aumentou a partir daí”. Lloyd escreveu: “Paciente se recusou a se deitar porque não queria que a noiva pensasse que ele não se importava em adormecer”.

As notas da enfermeira de 14 de outubro de 2014 afirmam que o paciente estava rodando um filme quando “chutou a porta de seu trailer e se recusou a falar com o diretor”. As notas dizem: “Paciente verbalmente agressivo com outra pessoa no set, sem motivo aparente.”

As observações de Lloyd afirmavam que Depp tinha o desejo de “escapar” de seu uso de drogas.

Lloyd estava presente na Austrália quando Depp cortou o dedo após uma briga com Heard. Ela disse que dentro da casa viu “algumas coisas escritas na parede e me lembro de uma TV quebrada”. Ela afirmou: “Lembro-me de procurar o dedo dele no andar de baixo. Era a sala de entretenimento, da mesa de bilhar.” Segundo a enfermeira, Ben, o gerente da propriedade, encontrou a ponta do dedo e a levou para o pronto-socorro.”

Debbie Lloyd foi questionada sobre anotações de uma visita de 13 de abril de 2015 para ver Depp. De acordo com os escritos, ele lhe disse que a “maioria dos problemas com a esposa vinha dele usando drogas e álcool”. As notas dizem: “Depp afirma que não vai mais usar furtivamente/usar e quer desfrutar de clareza.”

Após o episódio na Austrália, David Kipper retirou seus cuidados com Depp, o que significou que Lloyd parou de trabalhar para ele também.

A equipe de Heard questionou a ex-enfermeira de Depp sobre algumas anotações de agosto de 2014. Lloyd afirmou se lembrar da “tensão” entre Depp e Heard neste momento. Ela foi perguntada de que maneira e respondeu: “Lembro-me de Johnny sentindo que [Heard] estava tentando interferir.” Quando solicitada a elaborar, ela disse “relatando coisas para nós que ele sentiu que não eram verdadeiras”.

Em notas posteriores, ela escreveu que o casal estava tendo um “tempo difícil” e problemas de comunicação. Ela também observou que Heard estava iniciando a terapia, mas diz que não sabia por quê.

Algumas das notas médicas referem-se a Depp sentindo “estresse indesejado” em sua vida, resultante de seu relacionamento com Heard.

As notas de Lloyd diziam que o casal reconheceu que este era “um momento para trabalhar em si mesmos como indivíduos”. Ela foi questionada se Heard estava sofrendo de alguma “ansiedade”, mas disse não saber.

Ela disse que era importante para Depp ter tantas formas de estresse removidas de sua vida, como seria com qualquer paciente passando por uma desintoxicação.

Uma observação falou sobre uma vez em que Heard entrou no quarto de Depp e “tentou iniciar uma discussão com ele”. Sua nota diz que “o paciente conseguiu manter a calma e conversar com sua noiva”. Quando perguntada se ela frequentemente viu Heard tentar iniciar discussões, ela disse que o fez pelo menos uma vez, mas não pôde dar números específicos. Quando solicitada a descrever um incidente específico, ela disse que uma vez, na cobertura do casal em Los Angeles, Heard “estava na frente do elevador impedindo Depp de sair”. Ela contou que isso foi porque ela “não queria que ele fosse embora”.

A ex-enfermeira de Depp foi levada a olhar as notas que escreveu durante uma viagem à Geórgia, para visitar Heard no set. Na época, disse que Depp solicitou uma reunião de emergência com um psiquiatra, durante a qual ele “teve uma conversa aberta e honesta” com um psiquiatra por 15 minutos. Na conversa, Depp disse sentir que estava em “uma situação sem vitória” com Heard.

Uma noite foi descrita quando Depp e Heard deveriam sair para jantar. Depp pareceu “se sentir exausto”, mas preocupado em dizer a Heard que ele não queria ir para a refeição por medo de perturbá-la.

Lloyd foi questionada se as brigas entre Depp e Heard a levaram a se preocupar com o ator. Ela disse: “Sim, eu estava preocupada. As discussões eram um gatilho para ele emocionalmente. Elas o deixavam chateado, acrescentavam estresse”.

Ela continuou dizendo que ouviu a palavra “mania” usada para o comportamento de Depp, mas não se lembrava se ouviu de Heard ou relatou para ela algo que ouviu de Depp.

Ela se refere em suas notas ao “comportamento negativo da noiva [de Depp]”. Solicitada a explicar, ela disse que “[Heard] o instigaria”. Como exemplo, ela disse o que Heard faria: “Segui-lo de sala em sala, e não dar a ele seu espaço”. Ela contou que isso aconteceria em várias ocasiões.

Em suas anotações Debbie Lloyd também disse que Depp era “ambivalente sobre seu status de relacionamento”.

Ela disse que foi convidada para o casamento de Depp e Heard – assim como a enfermeira particular de Heard, Erin Boerum, e o médico particular de Depp, David Kipper.

Ela foi perguntada se houve um acordo pré-nupcial, e disse que houve uma discussão sobre isso, que ela afirma que Heard “não aceitou bem”.

As perguntas se moveram para várias viagens que ela fez com o casal, incluindo o Japão em janeiro de 2015 e a Austrália alguns meses depois, em março de 2015.

Ela testemunhou anteriormente não se lembrar se Heard estava presente no momento em que foi à casa de Depp para ajudar a lidar com o dedo ferido. Ela disse que viu Heard durante a viagem à Austrália, e que durante esse tempo viu um ferimento nela – uma contusão em seu braço. Ela contou ainda que não se lembra de ter visto nenhuma escoriação.

A enfermeira disse que Heard nunca procurou nenhum tratamento médico diretamente com ela.

Notas do dia em que Depp teve seu dedo lesionado, indicam que ele voltou do pronto-socorro por volta das 21h30. Foi observado que Depp estava ciente na época de que seu relacionamento com Heard deveria chegar ao fim.

A enfermeira foi questionada pela equipe de Heard: “Você se lembra de acreditar que o relacionamento de Depp e Heard era tóxico?” Ela respondeu “sim”, e disse que pensou isso devido a conversas com Depp e ao fato de “o relacionamento estar causando estresse”.

Ela contou que quando ele voltou para Los Angeles, seu dedo foi enfaixado para parar a infecção e estava causando dor. Ela relatou que ele tinha colocado pinos no dedo para consertá-lo.

As anotações de Lloyd descrevem a dor que Depp estava sentindo devido ao dedo ferido e vários analgésicos que ele estava tomando. Além dos pinos, Depp também fez um enxerto de pele.

Suas notas também dizem: “paciente afirma que sua esposa está tentando discutir com ele”. As notas afirmam que Heard estava visitando Depp e, por esse motivo, ele estava “extremamente ansioso”.

Foram mostradas mensagens de texto entre Whitney Heard e Erin Boerum (enfermeira de Heard). Na troca, Whitney está descrevendo que Heard não está bem e dorme depois de um dia exaustivo. Ela diz que Heard não está em um bom lugar, e diz que “ela continua dizendo que quer se matar”. Lloyd diz que nunca ouviu Heard dizer que queria se matar.

Durante o depoimento, foi lembrado um suposto incidente que também foi discutido no processo judicial de Londres em 2020, durante o qual foi chamado de “incidente da escada”. Refere-se a uma suposta disputa quando Heard disse que Depp brigou com ela e empurrou sua irmã Whitney enquanto estava no topo de algumas escadas em seu apartamento em Los Angeles. Lloyd disse que foi chamada ao apartamento devido a uma discussão.

Ela contou que Depp estava sentado do lado de fora do apartamento, e Heard estava prestes a sair, mas voltou ao apartamento quando a viu chegando. Quando perguntada se ela viu alguma violência física, ela diz: “Eu vi Johnny empurrar uma das araras de roupas de Amber”.

Em alguns textos, Depp pareceu relatar à sua ex-enfermeira que sua medicação desapareceu. Depp escreveu: “Eu não posso acreditar que ela tem coragem de roubar meus remédios”. Parece implicar que Heard, ou sua irmã, tomaram suas drogas para seu próprio uso “recreativo”.

Lloyd disse que quando ela começou a tratar Depp, Heard a estava “aceitando”. Ela disse que ouviu através de outros membros da equipe que o sentimento de Heard em relação a ela havia mudado e “ela não a queria por perto”. Em resposta ao questionamento do advogado de Heard, ela disse que Heard nunca foi diretamente hostil em relação a ela.

Debbie Lloyd disse que testemunhou Heard bebendo na frente de Depp durante seu tratamento, mas que ele nunca pediu que ela se abstivesse de fazê-lo.

Sean Bett

Sean Bett é um dos seguranças de Depp e trabalha para ele e sua família há aproximadamente 14 anos. Seu depoimento começou com as perguntas de Camille Vasquez, advogada de JD.

Ele foi perguntado como seu papel “evoluiu” durante seu emprego, e disse que mudou muito e agora viaja muito mais com Depp. Ele disse que, dentro de seu papel, levou os filhos de Depp – Lily-Rose e Jack – para a escola e acompanhou Depp a vários eventos.

Ele se descreveu como o “segurança principal” de Depp e disse que agora passa a maior parte de seu tempo com o ator.

Questionado sobre Jerry Judge, Bett contou que ele trabalhou para Depp por cerca de 20 anos, mas morreu em 2019 de câncer.

Bett foi questionado sobre os hábitos de consumo de Depp e disse que “ele lida com o álcool muito melhor do que eu”. Ele disse que quando Depp está “ligeiramente embriagado”, age de maneira “discreta”, “como se tivesse acabado de beber um copo de água com gás”.

Ele disse ser ciente de que Depp usou drogas no passado, e que o ator discutiu isso com ele.

Quanto à sua opinião sobre Heard, ele disse que quando a conheceu “ela sempre tinha um sorriso… eu gostava muito dela”.

O segurança descreveu os amigos e a família de Heard – incluindo sua irmã Whitney e a amiga Rocky Pennington -, que costumavam estar por perto e depois moraram em algumas das propriedades de Depp. Bett disse acreditar que “eles estavam se aproveitando dele” e acrescentou que “então eles eram muito legais com ele, você não quer morder a mão que te alimenta”.

Ele disse que uma vez esteve presente quando Heard estava conversando com uma de suas amigas, e a ouviu dizer “todos os homens são idiotas”.

Quanto ao relacionamento, ele disse que evoluiu de “um tipo de romance do ensino médio” para discussões periódicas. Ele disse que Heard instigava essas brigas.

Bett contou que muitas vezes testemunhou Heard bebendo vinho e a viu “levemente embriagada”.

Ele disse que presenciou algumas discussões, e descreveu uma ocasião em que passou por seu apartamento em Los Angeles, ele acredita que foi por volta de 2012/2013, quando ouviu Heard “gritando muito alto”.

Ele disse que uma vez Heard fez confidências a ele enquanto a levava de seu endereço em West Hollywood para outro apartamento no centro da cidade para “esfriar”. Ele afirmou que disse a ela: “Amber, isso não pode continuar, vocês vão se matar ou vão para a cadeia”.

Bett disse que “as constantes discussões e brigas estavam progredindo lentamente… E acabaria se tornando ruim eventualmente”.

O segurança disse que nunca viu nenhuma violência física entre Depp e Heard e que também não viu nenhum ferimento em Heard em nenhum momento durante o relacionamento.

No entanto, ele relatou ter visto lesões em Depp. Ele mencionou a lesão no dedo recebida pelo ator na Austrália em 2015.

Bett disse ainda que viu Depp com “um osso da bochecha e uma pálpebra inchados” por volta de março de 2015. Ao tribunal foi exibida uma fotografia que Bett tirou “como prova, no caso de Heard tentar fazer alegações contra Depp”. A imagem mostra Depp com o olho direito inchado, com hematomas ao longo da maçã do rosto. Bett descreveu “marcas de arranhões ao redor da área do nariz, e acredito que na lateral do rosto”.

Foram mostradas a Bett mais fotografias que ele afirmou ter tirado em meados de dezembro de 2015. Ele disse que uma imagem “mostra lacerações na lateral do nariz [de Depp]”, bem como arranhões na testa e na lateral do rosto. Outras fotos mostram os mesmos ferimentos de diferentes ângulos.

O segurança foi perguntado se ele já testemunhou Heard sendo abusada por Depp e ele disse que não. Ele também disse que ela nunca denunciou Depp abusando dela para ele.

Sean Bett descreveu um jantar de aniversário de 30 anos para Heard, que foi realizado na cobertura do casal em Los Angeles em 21 de abril de 2016.

Depp estava atrasado para a celebração, e Bett disse que Heard estava zangada com isso. Ele disse que Depp se desculpou com ela na frente de todos, e Heard disse a ele “venha sentar-se docinho”. Bett disse que “doce” era um termo carinhoso que ela costumava usar para ele.

A mãe de Depp, Betty Sue, morreu no mês seguinte, em maio. Bett descreveu Depp “de luto” depois de perder sua mãe. Ele disse que foi só depois da morte dela que Depp e Heard se viram novamente após a festa de aniversário.

Sean Bett descreveu o retorno ao apartamento de West Hollywood com Depp em 21 de maio de 2016, para coletar alguns dos itens de Depp. Este é listado como o alegado incidente final entre Depp e Heard, antes do casal terminar seu relacionamento.

Bett disse que voltou com Depp para os apartamentos de Los Angeles, mas houve uma discussão entre Depp e Heard. Ele contou que estava lá com Jerry Judge. Bett disse que ele e Judge ficaram do lado de fora enquanto Depp entrou. Depois de permanecer do lado de fora por cerca de 10 minutos, ele e Judge caminharam pelo corredor até a cobertura 5, onde puderam entrar e esperar. Eles voltaram para encontrar Depp quando ouviram “gritos e gritos” de Heard, que ele descreveu como “blasfêmias”.

Bett disse que quando ele e Judge entraram na cobertura, Heard estava gritando, mas ela estava a alguma distância de Depp no ​​momento, ao lado de sua amiga Rocky Pennington. Ele disse que “[Heard] tinha um olhar de surpresa no rosto”, mas depois de um momento se recompôs e gritou para Depp “esta é a última vez que você faz isso comigo”. O segurança disse que teve uma boa visão de Heard, e que ela não tinha marcas visíveis no rosto e não estava segurando o rosto no momento.

Bett contou que foi nesse momento que Jerry Judge disse algo como “Chefe, vamos sair daqui” e eles saíram do apartamento, pegando algumas malas. Ele disse que eles pararam no apartamento usado pela amiga de Heard, Rocky Pennington, e seu parceiro Drew. Ele afirmou que Depp disse a eles para “saírem do meu apartamento”, o que eles fizeram, junto com “seu cachorrinho” e uma “mulher desconhecida”.

Bett disse que Depp subiu as escadas brevemente procurando por algo (ele não sabia o quê), antes de todos saírem. Ele disse que não observou Depp causando nenhum dano a nenhuma das coberturas enquanto estava lá, ou que se tornou violento com alguém durante a visita.

Vídeo da audiência e fotos

Via Sky News, Daily Mail, Angenette Levy e Sierra Gillespie (Law & Crime Network).