abril 16, 2021
Johnny Depp afirma que filmagem de câmera corporal PROVA que Amber Heard está mentindo

Johnny Depp afirma que um novo depoimento policial e uma filmagem de câmera corporal, nunca antes vista, ‘provam’ que Amber Heard está mentindo sobre a briga que acabou com seu casamento de 18 meses.

Heard e seus aliados deram provas em vários processos judiciais, dizendo que Depp atirou um telefone em seu rosto e destruiu a cozinha da cobertura durante a notória confusão de maio de 2016.

Mas os advogados do ator dizem que as imagens sinistras de danos – incluindo candelabros quebrados, vidro espalhado no chão e vinho tinto espirrado nas paredes e tapetes – estão completamente em desacordo com o que a polícia lembra.

Quatro diferentes policiais do Departamento de Polícia de Los Angeles (LAPD) visitaram o elegante apartamento em estilo loft no centro da cidade, no espaço de duas horas depois que os amigos de Heard ligaram para o serviço de emergência (911), por engano, duas vezes.

Os dois primeiros policiais deram novos depoimentos no mês passado, reiterando que fizeram uma varredura na propriedade de US$ 1,5 milhão, mas não viram nenhum ferimento, vandalismo ou evidência de um crime.

O DailyMail.com divulgou pela primeira vez imagens de um segundo grupo de policiais respondentes, que tinham câmeras ligadas quando entraram no antigo lar conjugal de Heard e Depp naquela noite.

O dispositivo usado no corpo revela um corredor arrumado que leva a uma elegante cozinha e sala de estar adornada com ornamentos, flores frescas, pilhas de livros, várias velas e candelabros.

Os policiais não parecem detectar nada suspeito, no entanto, e não há sinais óbvios de danos, desordem ou manchas no chão ou carpetes no vídeo de três minutos e meio.

O advogado de Depp, Adam Waldman, diz que a filmagem prova que nunca houve uma onda de destruição e que o relato de Heard sobre a noite não é confiável.

“Amber Heard e seus amigos descreveram uma cena de crime caótica e confusa, mas os vídeos de câmera de corpo recém-lançados do LAPD mostram inequivocamente que a cobertura não foi danificada e que seu testemunho foi mais uma grandiosa mentira”, disse Waldman em um comunicado.

O ex-casal irá se enfrentar novamente em Fairfax County, Virgínia, onde Depp está processando sua ex-mulher em US$ 50 milhões por causa de um artigo do Washington Post no qual ela se descreveu como uma sobrevivente de violência doméstica.

O artigo de dezembro de 2018 não o mencionou pelo nome, mas Depp, 57, afirma que ele foi demitido do papel de Capitão Jack Sparrow depois que o relato ‘boato’ levou à especulação de que ele era o agressor.

O ator de Piratas do Caribe está travando uma batalha árdua para salvar sua reputação depois que a Suprema Corte da Grã-Bretanha rejeitou uma reclamação de difamação sobre um artigo de 2018 no jornal The Sun que o rotulou de ‘espancador de esposa’.

O juiz Nicol decidiu que a descrição era ‘substancialmente verdadeira’ e que Depp, pai de dois filhos, atacou Heard uma dúzia de vezes, fazendo-a temer por sua vida em três ocasiões.

O incidente de 21 de maio de 2016 foi incluído no catálogo de abusos depois que Heard deu um testemunho gráfico, descrevendo como seu ex-marido atirou um telefone em seu rosto e arrancou tufos de seu cabelo.

O confronto teria ocorrido na cobertura 3 do elegante edifício de Eastern Columbia, onde Depp já teve um andar inteiro de cinco apartamentos vizinhos, acessados ​​por um elevador privativo.

Depois que a equipe de segurança de Depp interrompeu a briga, ele foi para a cobertura 5, onde Heard guardava algumas de suas coisas, para ‘saquear’ seus pertences e causar mais danos antes de finalmente deixar o prédio.

Os advogados de Heard forneceram ao tribunal imagens com data e hora da ‘cena do crime’, incluindo molduras de fotos quebradas, vidros quebrados e vinho espirrado no chão de madeira e nos tapetes.

Heard e sua melhor amiga Rocky Pennington, uma testemunha ocular da suposta agressão, ofereceram relatos anteriores da disputa em depoimentos para seu divórcio de Depp em 2016.

“Eles têm uma grande ilha no meio da cozinha e ali há velas e frutas e, você sabe, vidro, como potes e vasos e coisas assim”, disse Pennington.

“E ele simplesmente estava batendo em tudo com a garrafa de vinho, apenas quebrando tudo. Portanto, havia frutas no chão e cestas e, você sabe, garrafas de vidro e flores”.

Em seu próprio depoimento, Heard acrescentou: “Temos castiçais de prata enormes e pesados, bastões de candelabro. Eles estavam quebrados no chão. Cestas de frutas que comíamos na ilha da cozinha. Há… frutas em todos os lugares. Cestos no chão. Os recipientes com colheres e garfos, utensílios de cozinha, isso foi derrubado”.

Ela acrescentou: “Ele quebrou um monte de coisas de vidro que deixaram vidro no chão… quando ele saiu para o corredor, você podia ver vinho derramado no chão e vinho nas paredes e… então eu sabia que pelo menos ele tinha passado por lá e foi como se tivesse derramado vinho por todo lugar.

Os policiais do LAPD, que responderam a duas ligações separadas para o 911 naquela noite, pintam um quadro muito diferente, no entanto.

Os primeiros na cena, cerca de 15 minutos após o suposto ataque, foram Tyler Hadden e Melissa Saenz, uma especialista em violência doméstica, que afirmam ter feito varredura nos dois apartamentos, mas não viram nenhum ferimento no rosto de Heard ou evidência de vandalismo.

A dupla prestou testemunho sob juramento sobre o incidente em três ocasiões: durante o divórcio do casal em 2016; no julgamento por difamação no Reino Unido no ano passado; e durante novas deposições em março.

“Não a identifiquei como vítima de violência doméstica”, disse Saenz à advogada de Heard, Elaine Bredehoft, no mês passado.

“Nós nos encontramos com a vítima, verificamos a localização, o marido não estava lá e a vítima nos avisou que não iria nos dar mais informações”.

Questionada pelo advogado de Depp, Leo Presiado, se ela se lembrava de ter visto algo parecido com os danos retratados nas fotos de Heard durante sua varredura de proteção, Saenz respondeu: “Eu não vi”.

Hadden foi questionado da mesma forma se ele se lembrava de quaisquer sinais de vandalismo, danos à propriedade ou vinho derramado. “Não que eu me lembre”, respondeu ele.

Nem Saenz ou Hadden estavam usando câmeras, pois os dispositivos ainda estavam sendo implantados pelo LAPD e, como observou o juiz do Reino Unido, nenhum dos dois anotou nada por escrito.

Mas o segundo grupo de policiais, cujos nomes não foram divulgados, estavam com as câmeras ligadas quando chegaram, duas horas após a suposta briga.

Seus clipes de três minutos obtidos pelo DailyMail.com mostram os dois policiais caminhando por um corredor bem iluminado antes que o marido de Pennington, Josh Drew, abra a porta da cobertura 3.

Ele se oferece para pegar o cartão de visita de Saenz para eles, mas eles abrem a porta, dizendo que “só querem ter certeza de que todos estão bem”.

Os dois policiais são vistos caminhando por um corredor e cozinha em direção a uma sala de estar de plano aberto, onde há três mulheres sentadas em um sofá e dois cachorros correndo.

O apartamento é mal iluminado, mas a filmagem captura mesas e aparadores cobertos por uma variedade de molduras, enfeites, pilhas de livros e uma grande garrafa de vinho.

Há mais velas, candelabros e um vaso de flores em cima da ilha da cozinha, mas nada parece ter sido danificado ou derrubado.

Não há manchas ou poças óbvias nos tapetes persas dentro da propriedade ou nas paredes ou carpetes do corredor que separa as várias casas de Depp, que ele já vendeu.

“Os outros policiais vieram e verificaram o apartamento e outros apartamentos também”, disse uma das três mulheres sentadas em um sofá. “Deve ter sido uma ligação dupla”.

Quando o oficial pergunta “quem é Amber?”, outra mulher silenciosamente levanta a mão. Eles dizem aos policiais que “Johnny” deixou a propriedade duas horas antes.

Um policial casualmente pergunta “está tudo bem então?”. Quando uma mulher responde “agora sim, obrigada”, eles se viram e vão embora, estando ali há um minuto e meio.

Em seu depoimento de 2019 para o caso da Virgínia, Drew se refere à limpeza de vidros quebrados em aproximadamente uma hora e 45 minutos entre as duas visitas policiais. No entanto, ele diz que não fez nada para limpar o vinho.

“Depois dos primeiros policiais, limpamos os cacos de vidro do chão… os cachorros estavam lá, foi apenas por segurança”, disse Drew.

“No apartamento 3 havia vários vidros quebrados e itens espalhados pelas bancadas e pelo chão da cozinha. Só na cozinha. Era uma espécie de ilha da cozinha. No corredor, fora da cobertura, havia um pouco de vinho derramado. Não acredito que tenhamos lidado com isso de forma alguma”.

Em evidências anteriores do divórcio de Heard, Drew descreveu uma “mancha de vinho gigantesca em todo o corredor” – algo que Waldman diz que seria impossível que dois policiais não percebessem.

Ele acrescentou: “Você pode ver claramente nos vídeos das câmeras corporais da polícia que todos os itens que a Sra. Heard e seus amigos alegaram que Depp quebrou em pedacinhos com uma garrafa de vinho da ilha em sua cozinha – vidros, frutas, cestas, vasos e candelabros – estão em perfeitas condições e arrumados no lugar”.

“Nem o vinho tinto que eles alegaram que o Sr. Depp espalhou por todo o corredor de cores claras, tapetes e paredes existe. Esses vídeos provam inequivocamente que os dois primeiros policiais no local disseram a verdade sobre haver nenhum dano”.

“Não é complicado: a Sra. Heard e seus aliados mentiram”.

Depp e Heard se conheceram no set de ‘The Rum Diary’ em 2011 e se casaram quatro anos depois. Eles concordaram com um acordo de divórcio de US$ 7 milhões em agosto daquele ano, no entanto, sua rivalidade reacendeu em 2019, quando Depp processou o jornal The Washington Post.

Heard respondeu pedindo US$ 100 milhões, catalogando os anos de suposto abuso que ela sofreu nas mãos do ‘monstro’ em um arquivo sinistro de 300 páginas.

Ela também apareceu como a principal testemunha no julgamento por difamação no Reino Unido no ano passado, para testemunhar em nome do The Sun sobre 14 incidentes de violência doméstica, 12 dos quais foram aceitos pelo juiz.

A Depp foi negada a permissão para apelar no mês passado, sob o fundamento de que recebeu um ‘julgamento completo e justo’ e foi condenado a pagar 840 mil libras em custas judiciais.

Amigos dizem que ele está determinado a continuar lutando e não pensará em ponderar o caso da Virgínia, que foi repetidamente adiado por causa da pandemia do coronavírus.

Nesse ínterim, a equipe jurídica de Heard pediu ao juiz para abrir mão do caso, argumentando que os argumentos de Depp foram desacreditados nos procedimentos de Londres.

Bredehoft, o advogado de Heard para o processo na Virgínia, não quis comentar.

Fonte